Formação

formacao

Formação de mestres-sala, porta-bandeiras e passista mirim

Atenta à importância da arte e sua preservação para as próximas gerações, a agremiação de Nilópolis não perde tempo. Por isso, não abre mão das aulas para formação de passistas, mestres-sala e porta-bandeiras. Os alunos do curso de passista mirim recebem semanalmente informações sobre conceitos e fundamentos dessa arte de sambar. Na prática, exercitam passos, coreografias e gingas, se igualando, em beleza e emoção, aos grandes passistas da agremiação que fizeram história no carnaval.

Com aproximadamente 120 matriculados de diversas idades, os alunos precisam estudar e passar de ano para permanecer na atividade. Selminha Sorriso, ex-passista e coordenadora do projeto, passa sua experiência para as crianças.

Iniciadas em julho de 2006, as aulas para formação de novos casais de mestre-sala e porta-bandeira são uma importante iniciativa para a preservação da mais importante figura do desfile de carnaval, e responsável por conduzir pela avenida, com graça e beleza, o pavilhão da agremiação. A partir dos três anos de idade, os alunos podem ter aulas com o casal a dançar e muito mais.
“Eles aprendem a interagir, a dividir, aprendem a viver em comunidade, ou seja, em sociedade, aprendem a ter disciplina, respeitar hierarquia, respeitar os amiguinhos”, afirma Selminha.
Com as aulas, essas crianças e jovens aproveitam a oportunidade para despertar o potencial artístico que carregam e, melhor ainda, de crescer dentro da própria agremiação, perpetuando essa arte tão mágica, expressa no bailado do casal de mestre-sala e a porta-bandeira.
Através de todos esses projetos sociais, a Beija-Flor de Nilópolis ajuda não só o seu município de origem mas também regiões vizinhas. Se cada região do país tivesse uma obra desse porte, com o intuito de diminuir as diferenças sociais, certamente teríamos um Brasil melhor. Parabéns, Beija-Flor!

Bateria Mirim

Todos os sábados, de 9h às 13h, cerca de 120 crianças e jovens de Nilópolis e adjacências se reúnem com Mestre Rodney, Mestre Plínio, Saú, Cléo e Pó de Mico para as aulas da bateria mirim da Beija-Flor.
O projeto surgiu a partir de uma ideia do diretor de harmonia da agremiação, Laíla, que sentiu a necessidade de iniciar um trabalho que colaborasse na renovação da Beija-Flor na avenida. E vem dando certo.

De acordo com Laíla, a bateria mirim, que funciona há pouco mais de três anos, já rendeu bons frutos para a Azul e Branco de Nilópolis nos últimos carnavais.
“Eu tenho uma bateria formada há menos de três anos, só com molecada da comunidade. Os moleques são fantásticos. Tocam demais. Saíram no enredo do Roberto e no ano passado, do cavalo mangalarga. Tocam com amor. Parecem que vão comer o instrumento. Temos um futuro longo de comunidade, graças a esse tipo de coisa”.

Créditos: Widebrasil Comunicação Integrada.

Outras informações pelo telefone (21) 2791-2866